Doenças alérgicas

A alergia caracteriza-se por uma reação imunológica exagerada (de hipersensibilidade) a um composto habitualmente inócuo.
Sabemos que o numero de casos de doenças alérgicas tem vindo a aumentar nos últimos anos essencialmente nas sociedades desenvolvidas. A sua origem parece ser devida a vários factores, não apenas genéticos mas também ambientais. O estilo de vida ocidental com um menor contacto com a natureza, desregulando a forma como o nosso sistema imunológico se relaciona com os microorganismos que nos rodeiam (microbioma) parece ser uma das causas.

As doenças alérgicas podem assim manifestar-se de várias formas:

  • Rinite alérgica - afecta essencialmente as vias aéreas superiores podendo causar espirros, pingo, obstrução nasal e como complicação otites e rinosinusite. Se for persistente pode afectar de forma significativa a qualidade de vida . Trata-se com anti-histaminico para diminuir a produção de secreções e sprays nasais para diminuírem a inflamação alérgica .
  • Asma alérgica - caracteriza-se por uma inflamação crónica das vias aéreas; os sintomas são a falta de ar, aperto torácico e chiadeira que podem ocorrer com o exercício, no contexto de uma infeção respiratória ou em contacto com as substâncias que provocam a alergia (alergénios). Pode ser tratada com inaladores brônquicos específicos entre outros fármacos que diminuem a inflamação brônquica .
  • Alergia alimentar – pode surgir em qualquer faixa etária: na criança os alimentos mais frequentemente envolvidos são o leite, ovo, peixe, no adulto os frutos secos, marisco, frutos frescos. Não deve ser feita uma evicção alimentar sem antes se comprovar que existe alergia
  • Alergia a medicamentos – os mais habituais são os antibióticos e anti-inflamatorios . Deve também ser feito um correto diagnostico alergológico dado que muitas vezes é possível encontrar alternativas adequadas.
  • Alergia a picadas de insectos -a alergia ao veneno de abelha e vespa pode ser muito grave. É possível fazer testes cutâneos adequados sendo que a vacina antilérgica nestes casos é das mais eficazes
  • Anafilaxia - corresponde ao extremo de gravidade das reações alérgicas podendo ser fatal . Manifesta-se por urticária generalizada, dificuldade respiratória, vómitos, diarreia, tonturas podendo ocorrer perda de consciência. Pode ser causada por um alimento , medicamento, picada de abelha ou vespa, pelo exercício ou não ser possível identificar a causa. Deve ser tratada com uma caneta de adrenalina autoinjectável sendo essencial o reconhecimento do factor desencadeante em consulta de alergologia.
  • Urticaria e angioedema - corresponde a lesões cutâneas avermelhadas às vezes com relevo, que dão muita comichão e que não duram mais de 24 h no mesmo local . Podem durar apenas dias ou anos, podem ser ligeiras ou afectar de forma significativa a qualidade de vida.
  • Dermatite atópica - é muitas vezes a primeira manifestação de doença alérgica , podendo ser acompanhada de alergia alimentar. Caracteriza-se por lesões descamativas em localizações que variam ao longo da idade. A maioria das vezes melhora com o crescimento mas pode persistir na idade adulta
  • Dermatite de contacto - corresponde a uma reação exagerada da pele a substancias químicas habitualmente inertes. Resulta no aparecimento de lesões descamativas após contacto prolongado com a substância alergénica

Exames de diagnósticos

É possível realizar testes cutâneos por picada (testes prick) para o diagnostico da alergia respiratória e alimentar. No caso da alergia medicamentos e picadas de insecto é possível realizar testes cutâneos intradérmicos (um pouco mais invasivos mas que correspondem a uma picada na parte um pouco mãos profunda da pele)É também possível realizar testes de contacto (adesivos colocados no dorso) para o diagnóstico de alergia de contacto. As provas de provocação poderão ser úteis para determinar o diagnostico ou encontrar alternativas (no caso de alimentos ou medicamentos)

Terapêutica

Para além dos comprimidos anti-histaminicos, sprays nasais e inaladores brônquicos utilizados na doença respiratória é possível fazer um tratamento um pouco mais diferenciado denominado imunoterapia especifica ou vacina antialérgica. O objectivo é modular a resposta alérgica fazendo com que o sistema imunológico se “habitue” e passe a tolerar o alergénio, diminuindo a inflamação e a doença. Existem vacinas sublinguais e subcutâneas sendo que a duração do tratamento pode variar de um a três anos.

Na dermatite atopica e de contacto é importante diminuir a sensação de ardência utilizando cremes específicos.Nos casos mais graves de asma, urticária e dermatite atópica é também possível fazer tratamentos mais complexos designados por imunomoduladores biológicos

Um correto diagnóstico alergológico permitirá sempre um tratamento mais adequado, com o objectivo ultimo de melhorar a qualidade de vida do doente alérgico!

Corpo Clínico Associado: